Estudantes da UFPA protestam por melhorias (Foto: Wagner Almeida)

(Foto: Wagner Almeida)
Cerca de 100 estudantes da Universidade Federal do Pará protestaram no Campus Guamá, em Belém, durante a manhã de hoje (28). Fazendo barulho com apitos, usando nariz de palhaço e cartazes, os alunos percorreram os corredores da universidade reivindicando melhorias na infra-estrutura da instituição.
Um dos principais problemas relatado pelos alunos é o tempo de espera para atendimento no Restaurante Universitário (RU). “A gente passa quase duas horas na fila para almoçar”, explica a estudante Orleania Sales.
Após percorrer a universidade, os manifestantes foram até o prédio da reitoria para falar com o reitor sobre as reivindicações. Além do problema no R.U, os alunos querem melhorias na infra-estrutura das salas, no que diz respeito a iluminação e infiltrações.
UFPA afirma que restaurantes universitários da UFPA serão reformados e ampliados
Os restaurantes universitários da UFPA serão novamente reformados e ampliados. Ontem, 27, os pró-reitores de Administração, Edson Ortiz, e de Extensão, Fernando Arthur Neves, foram aos restaurantes observar as medidas que estão sendo tomadas para melhorar e aumentar o serviço. Eles conversaram com servidores e estudantes que freqüentam os espaços diariamente.
Mais de quatro mil refeições diárias – Segundo a direção dos restaurantes e a administração superior, os RUs atingirão a capacidade máxima de refeições até o início de novembro, quando o número de almoços servidos, diariamente, passará de 2.900 para 3.400, além das mil refeições servidas no jantar. “Hoje os restaurantes servem, todo os dias, 3,9 mil refeições, e ampliaremos para 4,4 mil. Entre as medidas de curto prazo estão a disponibilização de um organizador de filas e de mais mesas nos dois espaços, para diminuir o tempo de espera para compra de tíquete”, revela Edson Ortiz.
Os restaurantes universitários são ligados à Pró-reitoria de Administração (Proad), mas custeados com recursos da Assistência Estudantil, por isso, são também ligados indiretamente à Pró-reitoria de Extensão (Proex). “Se levássemos em conta apenas os insumos alimentícios, ou seja, o custo da matéria-prima, o preço de cada refeição seria, no mínimo, cinco reais. Isso sem adicionar os custos com pessoal, energia e equipamentos. A UFPA mantém o preço dos ‘bandejões’ em R$ 1,00 para os estudantes, graças ao custeio da Proex”, explica Edson Ortiz. O custeio da Proex garante ainda que um grupo de alunos de graduação em condição de vulnerabilidade socioeconômica receba os ‘bandejões’ gratuitamente.

Fonte: http://diarioonline.com.br/noticia-168523-estudantes-da-ufpa-protestam-por-melhorias.html