“Nenhuma proibição. Nenhum registro. Foda-se a supremacia branca!”, “Nenhum ser humano jamais será ilegal!”… Essas e outras palavras de ordem e cantos eram entoados por milhares de jovens, amplamente estudantes de diversas escolas de Nova York no último dia oito, numa contundente resposta ao republicano Donald Trump e sua política nacionalista, anti-imigração, racista, cuja uma das maiores expressões é a ordem executiva assinada pelo presidente norte-americano que estabelece a construção de um muro em 3200 kilômetros na fronteira México-EUA, dando sequência aos 1000 km de muro da vergonha construídos pela gestão do democrata Bill Clinton. Dentre outras ações, defende a ampliação e modernização do poderio militar genocida, prática já aplicada anteriormente por Bush e Obama, afora as práticas de tortura que pretende estabelecer no país. Um regresso!

Sem dúvidas o dia 8/2 foi uma resposta necessária. Tal como tem se dado desde a sua vitória eleitoral, passando pelo dia da posse e os seguintes, com grandiosas manifestações pelo mundo inteiro, centrada em uma pauta que se estende às reivindicações em defesa dos direitos humanos em geral, especificamente a pauta das mulheres, do movimento negro e LGBT, bandeiras erguidas majoritariamente por jovens.
Juntar os explorados e oprimidos do mundo numa onda contra Trump e o imperialismo! Aproveitar o 8 de março e unificar as lutas contra os governos!
É fundamental que todos estes setores já em luta contra o novo chefe-imperialista convoquem o conjunto da classe trabalhadora para uma forte luta unificada, para que não se iludam e se mobilizem contra as mentiras feitas durante a campanha eleitoral. O magnata dizia que atuará ao lado dos trabalhadores na garantia do emprego, por exemplo, quando na realidade, por trás de sua máscara, servirá aos interesses daqueles com quem sempre esteve abraçado, os agentes do mercado financeiro, os banqueiros e multinacionais de Wall Street, conforme apontará a reforma tributária que brevemente será anunciada.

No último dia 13 dezenas de milhares de mexicanos saíram às ruas, num grandioso movimento contra o Muro e a anti-imigração, que ficou tido como a unificação do México, o que foi extremamente importante. Este fato serve como mais um belo exemplo de que as mobilizações precisam se intensificar e crescer, diante de um programa de esquerda, contra a opressão e os ataques dos governos, para cada vez mais abalar as estruturas do governo Trump e seus agentes imperialistas.

Por tudo isso é que está sendo organizada uma poderosa manifestação em todo o mundo, aproveitando o dia internacional de luta das mulheres, para se organizar uma paralisação internacional das trabalhadoras e trabalhadores, atingindo diretamente os que lhes superexploram. Diversos artistas, ativistas sociais e organizações políticas estão impulsionando este chamado. Devemos ampliá-lo.

É preciso exigir aqui no Brasil que as maiores centrais sindicais, como a CUT, CTB, Força Sindical, bem como as direções das entidades estudantis, da UNE, UBES etc., convoquem e construam esta paralisação nas categorias em que atuam. Ainda no Brasil, o dia 8 será um importante preparativo para o dia 15/2, este último sendo chamado como um dia de luta e paralisação nacional contra Temer e toda crise social a que passa o país. Portanto, é imprescindível que os setores da esquerda combativa, como CSP-CONLUTAS e Intersindical somem-se neste chamado, e convoquem paralisação nos dias 8 e 15 de março. Nenhum passo para trás, a juventude mostra o caminho.