Temer anunciou guerra aos estudantes. Dizemos NÃO à Reforma do Ensino Médio!

No dia 22 de setembro o presidente ilegítimo Michel Temer anunciou, de forma unilateral e autoritária, a Reforma do ensino médio através de uma MP (Medida Provisória), a MP 746 faz parte do desmonte da educação, primeiro porque retira a obrigatoriedade das matérias de artes, educação física, filosofia, espanhol e sociologia das escolas, ou seja, um pingo do pensamento crítico que se produz nas escolas; segundo, diz que as escolas serão de tempo integral, mas não garante nenhuma estruturação das escolas para manter os alunos com refeições, dormitórios, etc. Além disso, intensifica o processo de mercantilização do ensino, pois o “tempo integral” não será preenchido por atividades de esporte, arte e lazer, mas pelas parcerias público-privadas com o intuito de elevar um ensino técnico precário, que visa a produção de mão de obra barata para abastecer o mercado. Com esta contra reforma qualquer pessoa com “notório saber” poderá dar aula, não precisando ter uma formação pedagógica e acadêmica sobre o conteúdo que vai lecionar. Por isso, é um ataque também aos professores e aos cursos de licenciatura, sem obrigatoriedade das disciplinas e da formação, muitos não terão mais seu trabalho, desqualificando a profissão de docente.

Essa reforma vem em forma de MP por causa do desespero de Temer em frear a luta dos estudantes, para que seja aplicada imediatamente, pois tem medo das ruas. Tanto a reforma do ensino médio, quanto o projeto da “escola sem partido” vêm para tentar barrar a luta dos secundas que no país inteiro ocuparam escolas, lutaram e derrotaram governos. O fato central é:  o governo Temer joga pra baixo do pano o problema maior de nosso ensino e das escolas brasileiras, escancarado nos últimos índices de avaliação da educação brasileira, que são os péssimos investimentos, seguidos dos sucessivos os cortes de verbas aplicados no setor, o que gera a falta de merenda, desvalorização dos educadores e toda a precariedade que vemos em nosso dia-a-dia.

Temer quer botar o país no bolso dos banqueiros.

Estamos em meio a uma crise econômica, e os governos escolheram um lado, o dos banqueiros e ricaços. Querem jogar a conta da crise nas nossas costas. Foi assim com os cortes de verbas na Educação, onde com Dilma passaram de 16 bilhões de reais os cortes nas áreas sociais e retiradas de direitos trabalhistas. Temer está ai para continuar isso, e com o PLP 257 e a PEC 241 quer congelar por vinte anos as verbas para Educação e Saúde, além de suspender concursos públicos e demitir servidores públicos, com esse pacote caminhamos para a privatização da educação e da saúde. Esse mecanismo só favorece o pagamento da dívida pública e o enriquecimento dos banqueiros.

FORA TEMER!
A Primavera Secundarista sacode o país! É preciso uma luta nacional e unificada pra derrotar os ataques à educação!


Se Temer tentou aplicar de imediato à reforma do ensino médio, nossa resposta também foi imediata. No Paraná já são mais de 300 escolas ocupadas, e as ocupações não param de crescer, além de ter uma escola ocupada em outros cinco estados. Prestamos apoio desde já a todas as ocupações de escolas que vem acontecendo pelo país. 

Apostamos como saída para derrotarmos esses ataques à educação uma luta nacional, a unificação das mobilizações e greves, construindo comitês de mobilização e assembleias nas escolas e universidades para fortalecer um calendário nacional de mobilização. A UBES, UNE, CUT, CTB e demais direções de movimentos, têm a obrigação de organizar essa luta nacional, uma Greve Geral que pare o país como forma de derrotar Temer e suas medidas.